Antes da privatização os CTT sempre tiveram lucros e esses lucros revertiam a favor do Estado. Agora após a privatização os CTT continuam a dar lucros mas esses lucros vão para os accionistas privados.

ANO LUCROS
2011 56,7 milhões €
2012 50,7 milhões €
2013 61,0 milhões €
2014 77,2 milhões €
2015 71,1 milhões €

Antes da preparação para a privatização o grupo CTT tinha 14754 trabalhadores,, após a privatização o grupo CTT têm 12046 trabalhadores, foram eliminados 2853 postos de trabalho.

ANO TOTAL TRABAL EFECTIVOS CONTRATADOS
2009 14754 13437 1315
2011 13835 12665 1170
2013 12383 11696 678
2014 12120 11427 693
2015 12117 11358 759
Total - 2853    

A qualidade do serviço deteriorou-se. O correio não é distribuído todos os dias e os padrões que qualidade têm vindo a baixar, não obstante a anuência da ANACOM em “adaptar” para pior os critérios de qualidade. Os tempos de espera aumentaram em média 5,5 minutos, no entanto elas chegam a atingir mais de 16 minutos em muitas estações.

ANO QUALIDADE NOTA
2011 88,0%  
2012 87,9%  
2013 78,3% Neste ano realizaram 2 greves gerais e centenas de plenários
2014 87,3%  
2015 84,9%  

Em 2002 havia 1090 Estações de Correios e 2758 Postos de Correio. Com a liberalização do serviço postal e com a preparação para a privatização dos CTT foram encerrada centenas de Estações e Postos de correio. No período entre 2002 e 2015 foram encerradas 481 Estações de Correio e 1047 Postos de Correio.

ANO ESTAÇÕES DE CORREIO POSTOS DE CORREIO
2011 884 2013
2012 748 1814
2013 623 1820
2014 623 1694
2015 619 1711

As tarifas de correio aumentaram desmesuradamente, prejudicando sobretudo os utentes do serviço postal universal. Antes da privatização a ANACOM não autorizava aumentos nas tarifas ou eles eram diminutos. Após a privatização a ANACOM passou a autorizar aumentos de tarifários muito superiores à inflação, como é o exemplo da tarifa base que aumentou 12% em 2014.

ANO AUMENTO NOTA
De 2010 a 2013 2,9%  
2014 4,1% Tarifa base + 12%
2015 2,3% Tarifa base + 6,8%

Antes da privatização os trabalhadores dos CTT foram confrontados com as políticas de direita levada a cabo pelos governos PS, PSD e CDS que causaram uma enorme perda do poder de compra e de direitos. Após a privatização começou o ataque à contratação colectiva e aos direitos e regalias dos trabalhadores. Recusa em negociar aumentos salariais em 2014. Em 2015 os CTT queriam diminuir drasticamente os direitos dos trabalhadores ao mesmo tempo que se preparavam para destruir uma boa parte do direito à saúde dos trabalhadores no activo e seus familiares e dos aposentados e seus familiares. Para defender no essencial o AE/CTT e o Regulamento das Obras Sociais, resistimos e alcançámos os nossos objectivos. Em 2016 a negociação dos aumentos salariais foi uma farsa e os CTT violaram as mais elementares regras da negociação do bom senso e utilizaram meios ilícitos e ilegais.

Em suma, a privatização dos CTT prejudicou os Estado, os trabalhadores e a população e apenas serviu para que entidades privadas (accionistas) “engordassem” com os lucros dos CTT.

É necessário continuar a lutar para inverter esta situação. Luta esta que tem que continuar junto dos trabalhadores, das populações, dos órgãos de poder, nomeadamente a Assembleia da república, o Governo e os partidos que o suportam.

 

TribunaPublicaCTTMaio2016

Tradução

ptenfrdeitrues

Na Estrada da Luta

Boletim Na Estrada da Luta Numero 02 de Maio de 2019

4º Congresso

IPTRANS

Protocolo

Visitantes

Temos 849 visitantes e 0 membros em linha